Diplomata que alertou sobre golpe em curso no Brasil é exonerado da Secretaria Geral das Relações Exteriores


(foto: reprodução)

(foto: reprodução)

O Ministério das Relações Exteriores exonerou de seu cargo nesta terça-feira (14/06) o diplomata Milton Rondó Filho, que em março enviou mensagens a embaixadas e representações brasileiras no exterior sobre a possibilidade de um golpe de Estado no Brasil.

A informação sobre a exoneração de Rondó, ministro de segunda classe que atuava como coordenador-geral de Ações Internacionais de Combate à Fome da Secretaria Geral das Relações Exteriores, foi publicada no Diário Oficial da União desta terça. Ele perde o posto de coordenação, mas continua diplomata.

Há quase três meses, Rondó recebeu uma advertência do Itamaraty, ainda sob a liderança do então chanceler Mauro Vieira, e perdeu o direito de emitir documentos após ter enviado, no dia 18 de março, telegramas a postos diplomáticos do Brasil no exterior alertando para a ocorrência de um possível golpe contra a presidente brasileira, Dilma Rousseff.

Segundo matéria do jornal O Globo, na primeira mensagem enviada, o Itamaraty pedia que cada embaixada ou representação indicasse um servidor, preferencialmente um diplomata, para ser responsável por “apoiar adequadamente” o diálogo entre o Itamaraty e as sociedades civis do Brasil e de cada local.

Em seguida, outro comunicado foi enviado, desta vez com a reprodução de uma nota da Abong (Associação Brasileira de Organizações Não-Governamentais), que agrega 250 ONGs. O texto expressava “profunda preocupação” com o momento do Brasil, que segundo as entidades era de “resistência democrática”.

Outra mensagem trazia o texto “Carta aos Movimentos Sociais da América Latina”, em que organizações sindicais, sociais e populares do Brasil denunciavam um “processo reacionário (…) contra o Estado Democrático de Direito”.

O Itamaraty  afirmou, na época, que as mensagens haviam sido enviadas sem autorização superior.

Procurado para maiores esclarecimentos sobre a exoneração de Rondó, o Itamaraty informou, por meio de mensagem, que a exoneração se trata de “substituição natural de um ocupante de cargo em confiança, e da movimentação habitual de membro do Serviço Exterior Brasileiro“. Segundo o comunicado, a pasta designará nova função para o diplomata. (pulsar/pragmatismo político)

Faça um comentário

39 − 33 =