Desocupação de prédio no Rio de Janeiro é marcada por violência


Morador durante a desocupação do prédio da Telemar no Rio (Foto: Guilherme Brito)

Morador durante a desocupação do prédio da Telemar no Rio (Foto: Guilherme Brito)

O processo de reintegração de posse do prédio da empresa Telemar, controladora do grupo Oi, foi marcado por conflitos entre a Polícia Militar (PM) e moradores da ocupação nesta sexta-feira (11), na região do Engenho Novo e Jacaré, na zona norte do Rio de Janeiro.

Segundo o Jornal A Nova Democracia, que acompanhou a operação policial desde o início, os policiais cercaram o terreno por volta das quatro horas da manhã com muita violência. De acordo com os moradores, não houve a chance de dialogar com a polícia que já chegou jogando bomba e gás de pimenta.

Após uma das lideranças dos manifestantes ser presa, o confronto se acirrou e os policiais usaram bombas de efeito moral e gás lacrimogênio para controlar a situação. Um repórter do jornal O Globo foi detido e demais jornalistas que faziam a cobertura foram agredidos fisicamente e verbalmente por policiais.

No momento, dezenas de moradores que deixaram o prédio da Telemar estão fazendo um ato pacífico, gritando: “Queremos residência”. Mais cedo, houve tumulto na entrada da Favela do Jacarezinho, onde manifestantes jogaram pedras nos militares e atearam fogo a entulho deixado no meio da rua. Ao todo cinco mil pessoas ocupavam o prédio da Telemar há quinze dias. A maioria dos moradores relatam estar no local por não ter dinheiro para pagar aluguel.(pulsar)

*Com informações da Agência Brasil e Rede Brasil Atual

Imagens produzidas pelo Jornal A Nova Democracia durante a desocupação

Faça um comentário

+ 46 = 55