Desemprego é maior entre mulheres negras e jovens, aponta estudo do Ipea


(foto: EBC)

A possibilidade de uma mulher negra ser afetada pelo desemprego é 50 por cento maior do que a média geral da sociedade, segundo o levantamento “A sensibilidade do desemprego às condições da economia para diferentes grupos de trabalhadores”, desenvolvido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

O estudo, que tem por base dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad) aponta ainda os jovens entre 18 e 29 anos como o outro grupo mais afetado pelas oscilações no mercado de trabalho. Segundo o pesquisador do Ipea Miguel Foguel, um dos autores do levantamento, a falta de experiência e a necessidade de conciliar os estudos com o trabalho estão entre os principais obstáculos na conquista de um emprego para os mais novos.

Apesar de a pesquisa não apresentar os motivos que colocam as mulheres negras em condição de maior vulnerabilidade, Foguel analisa que a distinção feita pelo estudo contribui para o desenvolvimento de políticas públicas adequadas para cada grupo social e que, no caso das mulheres, é preciso pensar formas que garantam a inserção no mercado de trabalho, com foco na qualidade educacional.  “Isso é uma política geral, a gente tem que melhorar a educação no Brasil”, defende. (pulsar/rba)

Faça um comentário

37 + = 43