Defensores de Direitos Humanos precisam de mais proteção


No marco do Dia Internacional dos Direitos Humanos, celebrado nesta segunda-feira (10), a Anistia Internacional publicou relatório em que apresenta 300 casos de intimidação, perseguição, ataques e assassinatos de defensores de direitos em dez países das Américas.

O documento de título “Transformar Dor em Esperança: Defensores e Defensoras de Direitos Humanos” registra opressões que ocorreram de janeiro de 2010 a setembro 2012.

Os afetados são pessoas que se envolvem em lutas relacionadas à defesa da terra e dos recursos naturais; dos direitos das mulheres, gays, bissexuais e transgêneros; dos migrantes; da liberdade de expressão, entre outras.

O relatório destaca que crescem nos últimos anos os impactados por grandes projetos industriais. É o caso do pescador Alexandre Anderson, da Associação Homens e Mulheres do Mar (Ahomar). Ele está ameaçado de morte por denunciar o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). Além de afetar o meio ambiente, esse e outros empreendimentos da indústria do petróleo criam zonas de exclusão para a pesca artesanal na região. Desde 2009, outros quatro pescadores da Ahomar foram mortos.

A Anistia Internacional cobra dos governos das Américas do Sul, Central e do Norte a garantia de proteção aos defensores e as defensoras de direitos humanos. Além da publicação do relatório, a entidade promove a campanha “Escreva por Direitos”, que estimula o envio de cartas com denúncias. Essa ação, que é realizada anualmente, se estenderá até o próximo dia 16. (pulsar)

Faça um comentário

76 + = 83