Crimes dolosos de militares contra civis serão julgados por militares durante a Olimpíada


(foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

(foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

A Câmara aprovou na noite da última quarta-feira (6) o Projeto de Lei 5.768/2016, do deputado Esperidião Amin (PP/SC), que cria um foro especial para militares das Forças Armadas que pratiquem crimes dolosos – quando há intenção – contra a vida, durante a Olimpíada no Rio de Janeiro. Segundo o texto, nesse caso, os militares passarão a ser julgados por um tribunal militar e não mais pelo Tribunal do Júri (civil) como determina a lei atual. Para o deputado Ivan Valente (Psol-SP), “essa proposta é uma espécie de licença para matar”.

Na justificativa do projeto, Amin defende que é preciso garantir segurança jurídica aos militares que atuam nessas operações, algo que não estaria garantido pelo Decreto-Lei 1001, de 1969. Valente discorda. Para ele, o crime doloso caracteriza assassinato. O deputado ressalta que em outros grandes eventos, como a ECO92 e a Rio+20, os militares estiveram nas ruas, houve manifestações, e não foi preciso um tribunal especial para garantir a atuação das Forças Armadas.

O projeto não passou por nenhuma comissão da Casa e foi colocado em votação após aprovação de requerimento de urgência feito pela chamada “bancada da bala”, que reúne parlamentares ligados às forças de segurança. Único parecer emitido, na própria votação, foi do deputado Julio Lopes (PP-RJ) pela Comissão de Constituição e Justiça, que determinou validade ao projeto: 31 de dezembro deste ano.

Pelo projeto, será julgado por tribunal militar qualquer crime doloso praticado contra civil, por um militar do Exército, da Marinha ou da Aeronáutica, no cumprimento “de atribuição que lhe forem estabelecidas pelo Presidente da República ou pelo Ministro de Estado da Defesa”, ou em ação que envolva a segurança de instituição, missão ou atividade militar. Nesse pacote se inclui a segurança da Olimpíada no Rio, tanto no enfrentamento a um ato terrorista como a manifestações sociais.

Serão deslocados 23 mil militares ao Rio de Janeiro durante a Olimpíada. O projeto que remete para a Justiça Militar o julgamento dos crimes dolosos contra a vida cometidos por militares contra civis durante as Olimpíadas segue para análise do Senado. (pulsar/rba)

Faça um comentário

80 + = 86