Concluída desocupação de área indígena Marãiwatsédé no Mato Grosso


Indígenas Xavantes no Mato Grosso (foto: advivo)

Cerca de dois meses depois começar a retirar fazendeiros e moradores da terra indígena xavante Marãiwatsédé, no norte de Mato Grosso, a força-tarefa do governo federal concluiu a retomada de toda a área de 165 mil hectares.

Um hectare corresponde a 10 mil metros quadrados, o equivalente a um campo de futebol oficial. Na segunda-feira (28), depois de sobrevoar a reserva para confirmar a desocupação, um dos oficiais de Justiça responsáveis retirada dos não índios entregou à Fundação Nacional do Índio (Funai) o auto de desocupação final da área.

De acordo com informações da Agência Brasil, servidores da fundação e trabalhadores contratados durante a operação já começaram a afixar as placas de identificação dos limites do território indígena.

Agentes da Força Nacional permanecerão no local por tempo indeterminado, garantindo a segurança da equipe responsável por elaborar o plano de transição. O plano tem o objetivo de garantir a segurança dos índios e de seu território, evitando novas invasões. Também já está sendo discutido o plano de gestão territorial e o destino a ser dado aos bens abandonados.

Segundo o coordenador regional do escritório da Funai em Ribeirão Cascalheira (MT), Paulo Roberto de Azevedo, a retirada foi concluída com tranquilidade, apesar dos conflitos registrados no início da operação.

Algumas pessoas que ocupavam a área chegaram a bloquear rodovias como a BR-158 e a entrar em confronto com policiais. Elas são contrárias à decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, que reconheceu a legalidade da demarcação da terra indígena xavante e determinou a imediata retirada dos não índios da área.

Homologada por decreto presidencial em 1998, a reserva abrange parte do território de São Félix do Araguaia, Alto Boa Vista e de Bom Jesus do Araguaia. A força-tarefa contabilizou 619 construções, entre residências e comércio, desocupadas desde o início da ação. (pulsar)

Um comentário

  1. INDIGNADA says:

    Absurdo, inclusive porque so tem mentiras nesta notiçicias, o processo ainda esta em grau de recurso, mas a julgar pelo atropelo as leis brasileiras, devera ser mesmo este o resultado, um pais que atropela provas, que é corrupto, que e entreguista, que é sectario, que vai internaciolizar a amazonia em nome dos indios, esta mesmo a merce desta ditadura de esquerda, pela falta do estado democratico de direito. marlon de sousa do trf 1 é com certeza maior que deus, pelo menos por enquanto. julga a seu bel prazer sadico, e ideologico e nada elegalista, ali a lei e torta e nada cega.

Faça um comentário

+ 33 = 42