Comissão Popular da Verdade divulga relatório sobre intervenção militar no Rio


Movimentos populares e mães de vítimas da violência do Estado participaram da coletiva de impressa em que os dados foram divulgados (foto: Flora Castro/Brasil de Fato)

A Comissão Popular da Verdade divulgou na manhã da última quarta-feira (25) o relatório dos primeiros cinco meses de intervenção militar no Rio de Janeiro. Em uma coletiva de imprensa realizada no Salão Nobre da Faculdade Nacional de Direto da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), foram divulgados dados alarmantes sobre as operações realizadas nas periferias do estado do Rio desde que foi anunciada a intervenção, no dia 16 de fevereiro deste ano. No evento, estiveram presentes representantes de movimentos populares, moradores das favelas e periferias da capital e mães de vítimas da violência do Estado.

O relatório aponta o aumento das taxas de letalidade, tiroteios e chacinas em todo o estado. O número de tiroteios, por exemplo, cresceu 60 por cento nos meses de intervenção, em relação ao mesmo período do ano passado, somando 4.005 registros em 2018, frente aos 2.503 registros em 2017. Outro dado alarmante é o aumento do número de homicídios decorrentes de intervenção policial. Em comparação com o mesmo período do ano passado, o crescimento foi de 28 por cento.

A coletiva de imprensa que lançou o relatório seria seguida de uma audiência com o interventor, Braga Netto. No entanto, a programação teve que ser alterada porque o interventor comunicou não ser possível receber a Comissão. De acordo com Virgínia Berriel, jornalista e integrante da Comissão Popular da Verdade, foi protocolado um ofício com o pedido na semana passada e na segunda feira (23) a assessoria do interventor disse que não era possível fazer a audiência com ele hoje na quarta (25).

O grupo sugeriu então que a audiência fosse adiantada para terça-feira (24) já que o teor do relatório ditou a urgência da reunião. “Mas eles disseram que estava muito perto, que não dava. Ou seja, eles estão se esquivando”, acrescentou a jornalista.

A comissão ainda espera uma resposta do gabinete da intervenção sobre uma nova data para a audiência. Virgínia Berriel afirma que a Comissão quer dialogar com o interventor Walter Braga Netto sobre o que tem acontecido nas operações, desde helicóptero atirar de cima para baixo, chutarem a porta das pessoas às três horas da manhã, espancarem morador, até executarem alguém na frente de um caveirão como aconteceu na Maré. (pulsar/brasil de fato)

Faça um comentário

11 − 6 =