Chacina de Unaí: mandante condenado a 100 anos terá novo julgamento


Unaí – Três auditores fiscais do trabalho e um motorista do Ministério do Trabalho foram assassinados em 28 de janeiro de 2004. Os mandantes do crime continuam soltos (Foto: José Cruz/Arquivo Agência Brasil)

A Quarta Turma do Tribunal Regional Federal da Primeira Região, com sede em Brasília, decidiu nessa segunda-feira (19)  refazer o julgamento que levou à condenação de Antério Mânica, apontado como um dos mandantes da chacina de Unaí. O colegiado também reduziu as penas de outros condenados.

O crime ocorreu no dia 28 de janeiro de 2004, quando três auditores-fiscais do trabalho – Erastótenes Gonçalves, João Batista Lage e Nelson José da Silva -, e o motorista Ailton Oliveira foram executados a tiros durante uma fiscalização de rotina na cidade de Unaí, em Minas Gerais.

Antério e o irmão dele, Norberto Mânica, foram condenados a 100 anos de prisão, por serem os mandantes do quádruplo homicídio.

Por 2 votos a 1, a turma avaliou que algumas testemunhas caíram em contradição e determinou que o julgamento de Antério fosse refeito. O advogado Marcelo Leonardo comemorou a decisão.

Foram três votos a dois. O relator e presidente do colegiado, Cândido Ribeiro, foi o único favorável a confirmar a condenação; os desembargadores Néviton Guedes e Olindo Menezes aceitaram o pedido da defesa.

Apesar de estarem em liberdade, Antério e Norberto Mânica foram condenados na primeira instância em 2015. Para o Ministério Público Federal, os dois foram os mandantes da chacina, em retaliação à ação dos fiscais que reprimiam a exploração do trabalho semelhante à escravidão.

Ainda de acordo com a acusação, os homicídios foram triplamente qualificados: por motivo torpe, impossibilidade de defesa das vítimas e pagamento de recompensa pelas mortes.

A vice-presidente do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho, Rosa Maria Campos Jorge, criticou a decisão de refazer o julgamento de Antério.

Antério e Norberto Mânica são fazendeiros influentes na região de Unaí. Norberto é conhecido como o “Rei do Feijão”. E Antério foi eleito prefeito da cidade no mesmo ano da chacina.

Cláudio Calazans foi o delegado do trabalho responsável pela equipe que se tornou vítima da chacina, e  protestou.

Ao contrário dos irmãos Mânica, os outros cinco condenados cumprem pena na prisão. São os empresários Hugo Pimenta, condenado a 47 anos; José Alberto de Castro, 96 anos de prisão; Erinaldo Silva, condenado a 76 anos; e Rogério Rios, condenado a 94. E o motorista Willian Miranda, condenado a 56 anos de prisão, acusado de acompanhar os criminosos.

O advogado Marcelo Leonardo avaliou que a decisão desta tarde não significa impunidade.

O novo julgamento de Antério Mânica será na Justiça Federal em Belo Horizonte e ainda não tem data para ocorrer.

A advogada Ana Maria Prates Barroso lembrou que o primeiro julgamento demorou mais de onze anos para ser realizado. Ela atua na causa como assistente da acusação e pediu rapidez à Justiça.

Após decidir refazer o julgamento de Antério Mânica, a Quarta Turma do TRF1 julgou recursos de outros réus, inclusive Norberto Mânica. A defesa de Norberto confirmou que, quase 15 anos após o crime, ele confessou a culpa.

Os desembargadores afirmaram que isso não mudaria o julgamento, porque já havia provas suficientes para considerá-lo o mandante da chacina de Unaí. Mas, por maioria, reduziram as penas de Norberto e outros condenados em um terço, por considerar que não cabiam as condenações por crime continuado. (pulsar)

*Informação Radioagência Nacional

Faça um comentário

7 + 3 =