Centrais sindicais e movimentos sociais realizam ato nesta sexta (31)


(imagem: reprodução)

(imagem: reprodução)

As centrais sindicais anunciam a realização de uma paralisação nacional no próximo dia 28 de abril. Antes, porém, estas organizações realizam uma outra manifestação, nesta sexta-feira (31), junto com as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo. O ato desta semana é uma espécie de termômetro para a realização de uma greve geral.

O protesto do próximo mês é contra a reforma da Previdência, a reforma trabalhista, a terceirização e por “nenhum direito a menos”, e foi definido em reunião na última segunda-feira (27) entre as organizações do campo sindical.

Em sintonia com as centrais sindicais, as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo – compostas por movimentos populares, partidos políticos, sindicatos e outras organizações – divulgaram um “chamado à sociedade brasileira para ir às ruas, promover e participar de mobilizações em todo o país em defesa das conquistas históricas dos trabalhadores”, nesta sexta-feira (31).

Como um enfrentamento direto ao governo do presidente não eleito, Michel Temer, as organizações populares declaram, na página do evento no Facebook, que “só há uma forma de brecar o desmonte do Estado brasileiro e a pauta de retirada de direitos: ir às ruas e pressionar os deputados e senadores em seus domicílios eleitorais”.

A expectativa é reproduzir as ações do último dia 15 de março, quando cerca de um milhão de pessoas, segundo os organizadores, realizaram protestos em todos os estados e o Distrito Federal contra a reforma da Previdência. As manifestações estão previstas em diversas cidades pelo país. (pulsar/brasil de fato)

Faça um comentário

+ 16 = 21