Caso Marielle: Esposa de Lessa, principal suspeito, é presa em sua casa


(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Pessoas ligados ao sargento reformado da PM Ronnie Lessa foram alvos de cinco mandados de prisão na manhã desta quinta-feira (3) pela Polícia Civil do Rio de Janeiro. Lessa é acusado de ser o assassino da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, em março de 2018.

Um dos mandados é endereçado a ele, que já está preso. Os outros são para a mulher de Lessa, Elaine de Figueiredo Lessa, e o irmão dela, Bruno Figueiredo, além de dois supostos cúmplices do policial: Márcio Montavano, o “Márcio Gordo” e Josinaldo Freitas, o “Djaca”. As acusações são de obstrução de justiça, porte de arma e associação criminosa.

A coordenadora do Gaeco, Simone Sibílio, comandou a busca e apreensão no alvo principal: a mulher de Lessa. Ela mora numa casa no condomínio Vivendas da Barra, no número 3.200 na Avenida Sernambetiba, na Barra da Tijuca, ao lado de onde ela vivia antes com o marido.

Segundo o advogado, Elaine se mudou logo depois da prisão do marido, para um imóvel em um condomínio no número 3200 da Avenida Sernambetiba, na Barra, que é de propriedade do casal. Antes, ela morava no condomínio no número 3100 da mesma via, onde o presidente Jair Bolsonaro tem uma casa. Os dois condomínios se chamam Vivendas da Barra. A atual residência de Elaine ocupa apenas um andar, mas é de alto padrão.

As buscas na casa da mulher de Lessa começaram às 5h40m. Os policiais revistaram o local em busca de documentos e armas, pois Elaine tem CR de colecionadora de armas e, segundo investigadores, também atira.

Segundo a Polícia Civil, o grupo teria ocultado armas usadas pelo grupo de Ronnie, entre elas a submetralhadora HK MP5, que teria sido usada para matar Marielle e Anderson.

De acordo com as investigações da Delegacia de Homicídios (DH) da capital, em março deste ano, dois dias depois das prisões de Ronnie e do ex-policial Élcio de Queiroz, outro acusado de matar Marielle e Anderson, o grupo teria jogado as armas no mar. Sob o comando de Elaine Lessa, conforme a polícia, o armamento foi descartado próximo às ilhas Tijucas, na altura da Barra da Tijuca.

Para a DH, Montavano tirou uma caixa com armas de um apartamento no bairro da Pechincha, na zona oeste do Rio, levou-a até Freitas, que havia contratado o serviço de um taxista para transportá-la até o Quebra-Mar, de onde saiu o barco que levou o material até o oceano.

Já Bruno Figueiredo é acusado de ajudar Montavano na execução do plano. Com o auxílio de mergulhadores do Corpo de Bombeiros e da Marinha, foram realizadas buscas no local, mas nada foi encontrado. A profundidade e as águas muito turvas dificultaram o trabalho, segundo a Polícia Civil.

A operação, chamada de “Submersus”, ainda cumpre 20 mandados de busca e apreensão. (pulsar/revista fórum)

Faça um comentário

2 + = 12