Bolsonaro e filho votaram contra lei que protege pessoas com deficiência


(foto: reprodução)

Segundo o Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), realizado em 2016, quase 24 por cento da população do país é composta por pessoas com possuem algum tipo de deficiência. Portanto, o número chega a 45 milhões de pessoas. Para contemplar este segmento da sociedade foi votado e aprovado na Câmara e no Senado, em 2015, a Lei Brasileira de Inclusão (LBI), depois de 12 anos de tramitação no Congresso Nacional.

No entanto, se dependesse dos deputados Jair Bolsonaro e seu filho Eduardo Bolsonaro, essa legislação que beneficiou 45 milhões de brasileiros não seria aprovada, pois ambos votaram “Não”, ou seja, contra sua aprovação. O hoje presidenciável, à época, era do PP e seu filho atuava pelo PSC.

O fato provocou o seguinte comentário da cantora e violonista Olivia Byington em sua rede social: “Meu filho João Byington de Faria tem Síndrome de Apert. Jair Bolsonaro votou, juntamente com seu filho, Eduardo Bolsonaro, contra a Lei Brasileira de Inclusão (LBI), um dos dispositivos mais avançados na defesa de direitos das pessoas com deficiência do mundo. Quem duvidar e quiser conferir todos os votos na câmara aí vai o link. Se você acredita que alguém que não reconhece os direitos das pessoas com deficiência merece o seu voto, vá em frente. Mas durma com este barulho”.

A Síndrome de Apert é uma desordem genética que provoca desenvolvimento anormal da caixa craniana. Bebês com o problema nascem com a cabeça e a face com formas distorcidas. Muitas crianças também nascem com defeitos congênitos nas mãos e/ou nos pés. (pulsar/revista fórum)

Faça um comentário

+ 42 = 43