Bolsonaro é condenado por discurso preconceituoso contra quilombolas


Jair Bolsonaro (foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Jair Bolsonaro (foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) foi condenado pela Justiça a pagar 50 mil reais por declarações ofensivas à população quilombola. A sentença é da juíza Frana Elizabeth Mendes, da 26ª Vara Federal do Rio de Janeiro, em ação movida pelo Ministério Público Federal (MPF).

Em abril, Bolsonaro esteve no clube Hebraica, na zona sul do Rio. No evento, afirmou que indígenas e quilombolas atrapalham a economia e, segundo ele, “não serviam nem para procriar”. “O afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada. Eu acho que nem para procriador ele serve mais. Mais de um bilhão de reais por ano é gasto com eles”, disse o deputado.

Ele também defendeu o fim da demarcação de terras indígenas e quilombolas. “Pode ter certeza que se eu chegar lá (na presidência) não vai ter dinheiro pra ONG. Se depender de mim, todo cidadão vai ter uma arma de fogo dentro de casa. Não vai ter um centímetro demarcado para reserva indígena ou para quilombola.”

Essa não é a primeira condenação do candidato à presidência da República em 2018. No mês de agosto, a 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou, por unanimidade, o recurso de Bolsonaro, que contestava decisão do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) por danos morais contra a deputada Maria do Rosário (PT-RS). Em 2014, da tribuna da Câmara, o parlamentar atacou a petista dizendo que não a estupraria porque “ela não merece”. (pulsar/rba)

Faça um comentário

49 − 47 =