Ato em São Paulo da campanha #MoroMente condena injustiças da Lava Jato contra Lula


(imagem: reprodução)

A conduta ilegal e abusiva do ex-juiz e atual ministro da Justiça do governo Bolsonaro, Sergio Moro, ao conduzir os processos da Operação Lava Jato com a intenção de prejudicar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, será alvo de ato de protesto nesta segunda-feira (19), a partir das seis e meia da noite, na Faculdade de Direito do Largo do São Francisco, em São Paulo. O evento é organizado pela Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD), e é parte da campanha #MoroMente.

“Estamos há muito tempo denunciando os abusos no sistema de justiça. Entendemos que ele (Moro) é protagonista de toda a disfuncionalidade do bom combate à corrupção, daquilo que deveria ter sido feito seguindo as regras constitucionais, as regras do devido processo, e que agora causam graves consequências políticas e econômicas ao nosso país”, afirma a jurista Carol Proner, em sua página no Facebook. Ela é integrante da ABJD e professora de Direito Internacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

O ato da ABJD ocorre um dia depois de circularem novas revelações do The Intercept Brasil, desta vez envolvendo o atual presidente do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), Roberto Leonel, no conluio entre Moro e procuradores da Lava Jato.

Realizado no Salão Nobre da faculdade, o evento da Campanha #MoroMente reunirá, além de diversos juristas, nomes como os ex-presidenciáveis Fernando Haddad e Guilherme Boulos, os presidentes do PT e do Psol, além de parlamentares de diversos partidos e lideranças de movimentos sociais.

Entidades como Frente Brasil Popular, Frente Povo Sem Medo e Centro Acadêmico XI de Agosto estarão representadas. O evento é aberto e tem a expectativa de receber mil pessoas entre professores, alunos e sociedade civil em geral.

A campanha #MoroMente foi lançada no último dia 1º para mostrar à população quais foram as violações de direitos cometidas pelo ex-juiz e apontar as mentiras que ele conta para justificar sua atuação criminosa durante a Lava Jato.

A ABJD tem divulgado vídeos de juristas que explicam como Sergio Moro e os procuradores da Operação atropelaram leis e corromperam a Constituição em nome do combate à corrupção.

Segundo Carol Proner, o caso da atuação do ex-juiz, conforme tem sido revelado nos vazamentos divulgados pelo site Intercept, mostram que ele não apenas mente, como também conta com a ingenuidade de seu interlocutor para alcançar seu objetivo político, o que Carol classifica como um comportamento “pérfido”.

“Moro mente. Mas não é mentirinha nem omissão. Está longe de ser equívoco ou ambiguidade. É mentira premeditada, proposital. Não sei se somos capazes de entender todos os motivos que o fizeram usar da legitimidade do cargo para arvorar-se a chefe do Ministério Público e intruso das competências alheias, invadindo Poderes e jurisdições. O que sei é que é caso de perfídia. E um pérfido não é só um traidor, mas um traidor muito perverso porque conta com a boa fé daquele que será enganado. A ingenuidade do outro é parte fundamental na estratégia da mentira e, portanto, Moro mente perfidamente”, afirmou Carol nas redes sociais. (pulsar/rba)

Faça um comentário

61 + = 66