Apenas 17% dos médicos brasileiros são negros


(foto: reprodução)

(foto: reprodução)

Pesquisa aponta que a população negra ocupa apenas em torno de 30% do funcionalismo brasileiro nas esferas federal, estaduais e municipais. O dado reforça a existência da discriminação racial dentro da sociedade brasileira.

O estudo foi  realizado pelo Laboratório de Análises Econômicas, Históricas, Sociais e Estatísticas das Relações Raciais (Laeser), do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Conforme a pesquisa, a participação negra aumenta entre as ocupações de menor prestígio e remuneração. Entre os profissionais técnicos e de nível médio correspondiam a 44,5%. Já entre os empregados em ocupações elementares, o percentual era de 60,2%, aumentando entre os catadores de lixo e de material reciclável: 70,2%.

Já em profissões que exigem mais dedicação aos estudos, a pesquisa constatou o predomínio da população branca. Segundo o Laeser, entre os médicos, a proporção de negros não chegava a um quinto, equivalendo a 17,6% do total. Já entre  os professores universitários, não alcançava um terço do total.

Para os pesquisadores, as discrepâncias refletem as desigualdades de cor ou raça no mercado de trabalho brasileiro como um todo. (pulsar/rba)

Faça um comentário

47 − 41 =