Agricultura familiar e reforma agrária são os maiores produtores de orgânicos no Brasil


(foto: Pedro Ventura/ Agência Brasília)

(foto: Pedro Ventura/ Agência Brasília)

Agricultores familiares e assentados da reforma agrária são os dois principais grupos responsáveis pelo aumento da produção de alimentos orgânicos no Brasil, que neste ano deve ultrapassar os 750 mil hectares registrados em 2016. Segundo a Coordenação de Agroecologia (Coagre) da Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo (SDC) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), no ano passado foram registradas 15 mil e 700 unidades com plantio orgânico no país, mais do que o dobro das seis mil e 700 computadas em 2013.

Criado em 2013, o Cadastro Nacional de Agricultores Orgânicos (CNPO) conta com cerca de 15 mil produtores inscritos, sendo quase 80 por cento deles classificados como agricultores familiares. O sistema, entretanto, não permite diferenciar quais são ligados a assentamentos da reforma agrária.

Além dos assentados e dos agricultores familiares, completam o perfil dos produtores de alimentos orgânicos no Brasil os integrantes de ecovilas, normalmente formadas por jovens urbanos que vão para o meio rural, e a agricultura urbana e periurbana, desenvolvida por grupos que promovem hortas urbanas. Os diferentes perfis são unidos pelo desejo da alimentação saudável, combinada com uma visão de mundo comum.

De acordo com a Coagre, a região Sudeste é a que mais produz alimentos orgânicos, totalizando 333 mil hectares e dois mil 729 registros de produtores no Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos (CNPO). Na sequência estão as regiões Norte, com 158 mil hectares; Nordeste, com cerca de 118 mil; Centro-Oeste, com quase 102 mil; e Sul, com aproximadamente 38 mil. (pulsar/rba)

Faça um comentário

− 5 = 3