97% das mulheres disseram já ter sido vítimas de assédio em meios de transporte


(foto: reprodução)

O assédio sexual é uma realidade na vida da maior parte das mulheres brasileiras: 71 por cento conhecem alguma mulher que já sofreu assédio em espaço público e, ainda mais impressionante, 97 por cento dizem já ter sido vítimas de assédio em meios de transporte. O dado é da pesquisa realizada pelo Instituto Patrícia Galvão e Instituto Locomotiva, com o apoio da Uber, sobre violência contra a mulher no transporte.

Para entender os obstáculos e desafios que as mulheres enfrentam em sua locomoção pelas cidades todos os dias, a pesquisa ouviu 1.081 brasileiras que utilizaram transporte público e por aplicativo nos três meses anteriores à data do início do estudo. O levantamento aponta que, para as mulheres que trabalham e/ou estudam, o tempo gasto se deslocando entre sua casa e o trabalho ou instituição de ensino é um fator decisivo e central na vida delas: para 72 por cento das entrevistadas, o tempo para chegar ao trabalho influencia na decisão de aceitar um emprego ou de permanecer nele. Ainda assim, 46 por cento das entrevistadas não se sentem confiantes para usar meios de transporte sem sofrer assédio sexual.

“A pesquisa confirma que, infelizmente, o assédio sexual no transporte faz parte da rotina das mulheres brasileiras. Para elas, que em sua maioria estudam e trabalham fora de casa, a segurança no deslocamento é uma questão essencial. É importante não só aplicar a lei que criminaliza essa prática, como também desenvolver políticas e mecanismos para prevenção, para garantir que as brasileiras possam se sentir seguras ao exercerem seu direito de ir e vir, garantindo também seu direito a uma vida sem violência”, afirma Jacira Melo, diretora executiva do Instituto Patrícia Galvão.

Quando o assunto é locomoção, segurança é mesmo o fator que mais preocupa as mulheres: de olhares insistentes a serem encoxadas, passando por cantadas indesejadas, passadas de mão, comentários de cunho sexual ou serem seguidas, são diversas as situações de assédio relatadas.

A pesquisa também apontou que três em cada quatro mulheres (75 por cento) se sentem seguras usando transporte por aplicativo – número maior do que as que se sentem seguras usando táxis (68 por cento) e quase três vezes maior do que o número de mulheres que se sentem seguras no transporte público (26 por cento). (pulsar/agência patrícia galvão)

Faça um comentário

71 − = 61