Integração da América Latina é mais importante que nova fronteira entre Chile e Peru, aponta especialista


Peruanos comemoram em Lima (Ernesto Benavides)

Peruanos comemoram em Lima (Ernesto Benavides)

Um dos últimos conflitos territoriais da América do Sul parece ter chegado ao fim. Na última segunda-feira (27), a Corte Internacional de Justiça (CIJ), baseada em Haia, na Holanda, decidiu conceder ao Peru parte da área do Oceano Pacífico até então sob domínio chileno.

Com a sentença da Corte de Haia, os peruanos ganharam 22 mil e 500 quilômetros de mar na zona econômica chilena. A área corresponde a um pouco mais da metade do que o Peru reivindicava e não afeta os pescadores artesanais chilenos.

No entanto, o relatório da decisão não estabeleceu as coordenadas precisas da nova fronteira, o que era reivindicado por Chile e Peru. Segundo o tribunal, os dois países podem determinar o limite sozinhos. Autoridades chilenas e peruanas deram a entender nos últimos dias que acatariam a decisão da CIJ.

De acordo com o presidente do Instituto de Estudos Latino-Americanos da Universidade Federal de Santa Catarina, Nildo Ouriques, a eliminação de um conflito e a decisão da Corte de Haia é importante, mas o essencial é que seja constituída uma unidade latino-americana, que vá para além das fronteiras e seja um projeto político comum. Segundo Nildo, o dilema latino-americano é ou nos integramos ou sucumbimos na órbita das grandes potências. O estudioso lembra também que num projeto de integração é fundamental que se abra uma saída da Bolívia para o mar. (pulsar)

Audios:

  • Nildo Ouriques fala sobre a importância da integração da América Latina:

    Nildo Ouriques fala sobre a importância da integração da América Latina

    Clique para baixar (2 MB)

Faça um comentário

49 + = 58