Operação da polícia e Exército deixa seis mortos e um adolescente ferido na Maré (RJ)


Foto tirada por morador mostra tanque do Exército durante operação na Maré nesta quarta-feira (20) / Realidade do RJ

Foto tirada por morador mostra tanque do Exército durante operação na Maré nesta quarta-feira (20) / Realidade do RJ

Seis pessoas foram mortas e um adolescente foi ferido na manhã desta quarta-feira (20) durante uma operação da Polícia Civil e do Exército no Complexo da Maré, na zona norte da cidade do Rio de Janeiro. As vítimas são todos homens e tinham entre 20 e 30 anos. Já o adolescente, de 14 anos, foi baleado na barriga. Segundo informações da Secretaria estadual de Saúde, o estado de saúde do jovem é grave.

De acordo com relatos de moradores, a operação começou por volta de 9h30 e se estendeu até 13h. A comunidade ficou sob intenso tiroteio neste período. “As crianças já estavam na escola, as pessoas no trabalho, quando o helicóptero começou a atirar de cima para baixo nas escolas, nas casas, nas ruas, tem vários carros metralhados e pessoas feridas. Não sabemos o número certo de feridos, mas sabemos que foram muitas.Teve também tanques de guerra e caveirão. Foi uma grande operação”, contou a moradora Gizele Martins.

A operação foi uma ação conjunta da Polícia Civil e o Exército brasileiro. Procurada pelo Brasil de Fato, a assessoria de comunicação do Comando Conjunto das Operações em Apoio ao Plano Nacional de Segurança Pública informou que a operação foi comandada pela Polícia Civil e que a instituição está respondendo por ela.

Em nota, o Comando Militar do Leste, disse que o “Exército apoia a operação da Polícia Civil logisticamente com dois veículos blindados, realizando o transporte em segurança dos agentes até os pontos assinalados por eles, como parte da operação”. A instituição não divulgou informações sobre o objetivo da ação.

Para Gizele, que também integra a Comissão Popular da Verdade (CPV), criada com o objetivo acompanhar de perto e denunciar as violações aos direitos humanos cometidas pelo Exército durante a atual intervenção militar no Rio, esse tipo de operação não para de crescer nas favelas e nas periferias do estado.

Segundo ela, o que aconteceu hoje na Maré é uma chacina e é inadmissível. Gizele destaca ainda que o genocídio da população pobre só aumenta e que é um absurdo que crimes como esse continuem sem resposta do estado. (pulsar/brasil de fato)

*Com informações da Agência Brasil

Faça um comentário

+ 84 = 92