Justiça suspende temporariamente CPI dos ônibus no Rio de Janeiro


Primeira sessão efetiva da CPI dos Ônibus na Câmara do Rio. (foto: RionaRua)

Primeira sessão efetiva da CPI dos ônibus na Câmara do Rio foi marcada por protestos. (foto: RionaRua)

Os trabalhos da Comissão Parlamentar de Investigação (CPI) dos Ônibus, que teve hoje (22) a primeira sessão na Câmara de Vereadores do Rio foi suspensa pelo Tribunal de Justiça.

O pedido de suspensão foi feito pelos vereadores Paulo Pinheiro (PSOL), Eliomar Coelho (PSOL), Reimont (PT), Renato Cinco (PSOL), Jefferson Moura (PSOL) e Teresa Bergher (PSDB). De acordo com informações da Agência Brasil, a juíza Roseli Nalin, da 5ª Vara de Fazenda Pública do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ), deu 48 horas para que os parlamentares responsáveis pela CPI entrem com recurso.

Os vereadores de oposição, assim como os manifestantes acampados em frente Câmara Municipal no centro da cidade, não aceitam o critério de instalação da CPI, que elegeu o vereador Chiquinho Brazão (PMDB) como presidente. Brazão não apoiou a criação da Comissão. A exigência é que a presidência seja ocupada pelo propositor da CPI, o vereador Eliomar Coelho.

A Comissão foi criada para investigar o contrato de concessão entre a prefeitura carioca e as empresas de ônibus. Desde a instalação, cerca de 11 manifestantes realizaram dentro da Câmara dos Vereadores uma ocupação que durou 12 dias. Mesmo depois de deixar a Casa, com a ameaaça da reintegração de posse da Prefeitura, os manifestantes permanecem acampados em frente ao edifício. (pulsar)

Faça um comentário

+ 55 = 61