Após cinco meses de intervenção no Rio, chacinas aumentam e apreensão de fuzis diminui


Intervenção Federal Militar no Rio de Janeiro (foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

O Observatório da Intervenção, do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Cândido Mendes, divulgou nesta segunda-feira (16) um balanço dos cinco meses de intervenção militar no Rio de Janeiro. E a conclusão é clara: “Muito tiroteio e pouca inteligência”. As práticas policiais violentas continuam predominando contra as favelas.

As operações, que segundo o Gabinete da Intervenção chegam a mobilizar 5 mil homens, resultam em medo, mortes e poucos efeitos positivos, segundo o levantamento. No período dos cinco meses de intervenção, tiroteios e disparos aumentaram 37 por cento. As chacinas aumentaram 80 por cento e as mortes em chacinas (três pessoas mortas ou mais) aumentaram 128 por cento. Em contrapartida, a apreensão de fuzis, metralhadoras e submetralhadoras caiu 39 por cento de fevereiro a maio de 2018, em relação ao mesmo período em 2017.

“Nosso diagnóstico é que o comando da intervenção investe muito em operações militares e pouco em inteligência. O resultado é o aumento daquilo que a população tem mais medo: bala perdida, fogo cruzado e tiroteios. Até agora, a presença das Forças Armadas não resultou na percepção de que a segurança do Rio melhorou depois da intervenção”, diz o estudo.

O Observatório da Intervenção foi criado para monitorar e divulgar dados de diferentes fontes. O órgão documenta e produz análises sobre os impactos da intervenção coordenada pelas Forças Armadas, observando seu modelo, suas práticas e resultados. (pulsar/revista fórum)

Faça um comentário

88 − 83 =