Professora acusada de incentivar homossexualidade em aula sobre gênero será indenizada


Professora Nice Stelter Passos, docente de história do Colégio Estadual Senador Alberto Pasqualini. (foto: arquivo pessoal)

Professora Nice Stelter Passos, docente de história do Colégio Estadual Senador Alberto Pasqualini. (foto: arquivo pessoal)

O irmão mais velho de um aluno de uma escola em Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul, terá de indenizar a professora de História, Nice Stelter Passos, por dizer que ela incentivou a homossexualidade e o adultério em aulas sobre questões de gênero e identidade. A decisão foi da Segunda Turma Recursal Cível, dos Juizados Especiais Cíveis (JECs) do Rio Grande do Sul.

Ao julgar o recurso, o colegiado manteve a condenação ao homem que publicou ofensas à docente no Facebook. O valor da indenização, contudo, foi reduzido de  5 mil  para 3 mil reais.

A professora pediu para ser ressarcida por danos morais após ser difamada depois de uma aula sobre questão de gênero. De acordo com o relato, ela foi ofendida em uma rede social interna da escola, acessada por pais e demais professores, no dia seguinte à aula.

O irmão de um aluno também postou uma mensagem no Facebook que teve maior repercussão. A professora alegou que o texto provocou constrangimento e incitou a violência e o preconceito.

O réu, por sua vez, afirmou que seu irmão mais novo questionou a docente a respeito da “ideologia de gênero”. Segundo ele, a professora teria feito uma fala de incentivo à homossexualidade e ao adultério. Ele também alegou que não usou palavras de baixo calão, xingamentos ou qualquer outro tipo de ofensa.

Para o relator do recurso, juiz Roberto Behrensdorf Gomes da Silva, o réu não provou o conteúdo da fala da professora e não usou o canal adequado, no caso, a direção da escola, para reclamar da aula. Ao usar o “tribunal das redes sociais”, o homem fez a exposição pública da docente.

“Embora inegável, o direito constitucional de liberdade de expressão deve ser exercido com a cautela de não atingir a reputação de honra de terceiros, sobretudo quando inexistentes provas das práticas descritas nas publicações feitas pelo demandado em rede social”, afirmou o relator. O voto foi acompanhado pelas duas outras juízas da turma.

Na primeira instância, o juiz leigo Denis Augusto de Oliveira condenou o réu por ter exposto a professora à sociedade da cidade onde mora e trabalha. “É preciso pensar e ter discernimento antes de tomar qualquer atitude. A conduta do réu é imprópria, inconveniente e totalmente desproporcional”, escreveu o magistrado da vara dos Juizados Especiais Cíveis de Novo Hamburgo. (pulsar/desacato)

Faça um comentário

46 − 37 =