Sem-terra é atingido por bala de borracha na cabeça em despejo no norte da Bahia


(foto: divulgação/mst)

Na madrugada desta segunda-feira (25), as polícias Federal e Militar, em conjunto com milícias armadas do norte da Bahia forçaram o despejo de aproximadamente 700 famílias dos acampamentos Abril Vermelho, Irmã Dorothy e Irani de Souza, ligados ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

Segundo as famílias despejadas, os agentes “chegaram atirando” e, com muita violência, casas foram destruídas. Bombas de fumaça e balas de borracha foram utilizadas contra os ocupantes e um trabalhador, Laurindo Pereira da Silva, foi atingido na cabeça por um tiro de bala de borracha. Seu estado de saúde é estável.

As áreas acampadas fazem parte do perímetro irrigado Nilo Coelho, do município de Casa Nova e do projeto Salitre, em Juazeiro. As famílias ocupam o local desde 2007, mediante acordo entre os governos federal e estadual, o Incra, Ouvidoria Agrária, a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) e o Ministério Público Federal.

Segundo a assessoria do MST, no entanto, a partir das “investidas violentas contra os movimentos sociais do atual governo, os acordos foram quebrados e as famílias vítimas, mais uma vez, da truculência do Estado”. O movimento exige um posicionamento do governo estadual.

Nos três acampamentos, as famílias produziam ali cerca de 7.200 toneladas de alimento por ano, o que ajudava a mover a economia dos dois municípios da região. De forma direta e indireta, foram aproximadamente 5 mil trabalhadores. (pulsar/brasil de fato)

Faça um comentário

+ 32 = 34