Rio registra aumento de 62% no número de feminicídios


Feminicídio aumenta no Rio de Janeiro (foto: reprodução)

Feminicídio aumenta no Rio de Janeiro (foto: reprodução)

O machismo e a misoginia mataram 88 mulheres no Rio de Janeiro em 2017. O número, divulgado pelo Tribunal de Justiça do Estado, é 62% maior do que em 2016, quando foram registrados 54 feminicídios. Os dados correspondem ao número de processos judiciais abertos sobre assassinatos de mulheres por motivos como ódio, desprezo e sentimento de posse. De acordo com a coordenadora da ONG Criola, Lúcia Xavier, a precarização dos serviços de atendimento à mulher vítima de violência doméstica colaborou para esse aumento do número de casos.

Apesar de atribuir o aumento às mudanças na lei, a subsecretária de Políticas para Mulheres do governo do Rio de Janeiro, Cristiane Lamarão, reconheceu as dificuldades do estado em manter os serviços de apoio às mulheres vítimas de violência doméstica mas informou que o Centro Especializado de Atendimento da Mulher na Baixada Fluminense foi reaberto e a Casa da Mulher de Manguinhos também será reinaugurada em breve.

Desde 2015, o feminicídio, previsto no Código Penal e na Lei Maria da Penha, é classificado como homicídio qualificado. Segundo o Tribunal de Justiça, o feminicídio é o assassinato de uma mulher pelo simples fato de ser mulher. Ainda segundo o TJ, que administra o portal Observatório Judicial da Violência contra a Mulher, também cresceu o número de prisões devido à violência doméstica. Entre 2011 e 2016, o aumento foi de mais de 173%, subindo de 550 para mais de 1500 reclusões. (pulsar)

*Informação Radioagência Nacional

Faça um comentário

58 − = 54