Projeto da “cura gay” é considerado homofóbico por Conselho Federal de Psicologia


amor-gayConselho Federal de Psicologia (CFP) afirma que o projeto conhecido como cura gay estimula o preconceito contra homossexuais. A votação do projeto de decreto legislativo 234 de 2011,  deve ocorrer essa semana no plenário da Câmara dos Deputados.

Caso aprovado, o decreto permitiria a reversão da orientação sexual homossexual por intermédio de tratamento psicológico. O presidente e líder do PSOL na Câmara, deputado Ivan Valente (SP), prometeu apresentar amanhã (2) um requerimento para aprovar em regime de urgência o projeto. Se aprovada a urgência, o texto segue direto para o plenário, sem passar pelas comissões de Seguridade Social e Família e de Constituição, Justiça e Cidadania. O objetivo é derrubá-lo.

O decreto propõe suspensão de dois trechos de resolução instituída em 1999 pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP) que regulamenta o trabalho dos psicólogos. A recomendação dos artigos é que o profissional não trate a homossexualidade como patologia.

Para o Conselheiro do CFP e doutor em psicologia Celso Tondin, a aprovação do decreto significaria um grande retrocesso para a sociedade brasileira. Ele destaca que o projeto, que permite a reversão da homossexualidade, contraria não apenas o Conselho Federal de Psicologia como também a resolução da Organização Mundial da Saúde (OMS) que retirou a homossexualidade da lista de doenças colocando sua condição de orientação.

Além disso, para o psicólogo o decreto incentiva a homofobia, ou seja o preconceito contra os homossexuais, e legitima a perseguição a essa parcela da população. Ele afirma que não existe nenhuma teoria psicológica que possibilita reverter orientação sexual. Segundo Celso, os homossexuais  “precisam de direitos  e não de tratamento”. (pulsar)

 

Audios:

Faça um comentário

98 − 90 =