No Peru, aborto terapêutico obtém aceitação de organizações feministas


(foto: ugm.cl)

(foto: ugm.cl)

O recente guia técnico de Aborto Terapêutico no Peru tem obtido boa aceitação entre organizações feministas e personagens públicos. Com esta iniciativa, mulheres gestantes que correm risco de vida, podem realizar o aborto de maneira segura.

A congressista Verônika Mendoza indicou que os médicos a partir de agora têm uma norma legal para aplicar este tipo de aborto e afirmou também que o principal objetivo com o guia é garantir a saúde das mulheres gestantes.

A diretora da ONG feminista Movimento Manuela Ramos, María Elena Reyes, ressaltou a conquista para as mulheres e lembrou que a norma do aborto terapêutico está vigente há 90 anos e que somente agora foi devidamente regulamentado no Peru. María ainda destacou que as mais beneficiadas com a aplicação da norma serão mulheres com poucos recursos que vivem em zonas rurais e na marginalidade.

O ex-ministro da Saúde, Oscar Ugarte, também saudou a iniciativa do atual governo. Ugarte disse que o protocolo do aborto terapêutico é um benefício para a vida e que somente quem pode autorizar o aborto é a mulher, passando por uma junta médica. (pulsar/púlsar)

Faça um comentário

4 + 4 =