No México, Procuradoria confirma execução de estudantes desaparecidos


(foto: reprodução)

(foto: reprodução)

A Procuradoria Geral do México informou, na última terça-feira (27), que os 43 estudantes desaparecidos da Escola Normal Rural Ayotzinapa foram executados e incinerados. Em entrevista coletiva, o procurador-geral Jesús Murillo, afirmou que as provas científicas e periciais confirmam “com plenitude” o resultado das investigações.

De acordo com Murillo, as evidências permitem determinar que os estudantes foram privados de liberdade, da vida, queimados e jogados num rio.

Temendo o fim das investigações os familiares dos estudantes criticaram o governo mexicano. Para eles, a versão oficial do governo só pode ser comprovada com a presença dos corpos de seus filhos. Por enquanto, os legistas só identificaram os restos mortais de um dos estudantes e familiares mantêm as esperanças de que os outros 42 continuem vivos.

As conclusões do governo, segundo agências de notícias, se deram após o depoimento de Felipe Rodríguez, conhecido como “El Cepillo”. Preso em 15 de janeiro, ele é considerado o autor material do sequestro e morte dos estudantes.

Em 26 de setembro do ano passado, 43 alunos da Escola Normal Rural Ayotzinapa desapareceram em Iguala, para onde tinham ido com a intenção de arrecadar fundos para sua escola. Segundo as autoridades, policiais municipais abriram fogo contra os estudantes e os entregaram ao cartel Guerreros Unidos. O líder do grupo, Sidronio Casarrubias, ordenou o desaparecimento dos jovens por acreditar que eram membros dos Los Rojos, um grupo criminoso rival. (pulsar/brasil de fato)

Faça um comentário

37 − 33 =