Justiça do Rio determina pagamento de indenização à família do pedreiro Amarildo


Família do desaparecido Amarildo receberá pensão (foto: rededemocratica)

Família do desaparecido Amarildo receberá pensão (foto: rededemocratica)

A Justiça determinou que o governo do estado do Rio de Janeiro pague à família do ajudante de pedreiro Amarildo de Souza, desaparecido desde o dia 14 de julho, uma pensão mensal no valor de um salário mínimo e tratamento psicológico para nove pessoas da família da vítima, no valor de 300 reais, por sessão.

Na decisão, o juiz da 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio, desembargador Lindolpho Marinho, diz que a medida deve ser cumprida dentro de um prazo de cinco dias, a contar da data da notificação ao governo. Serão beneficiados com o tratamento psicológico a mulher de Amarildo, seis filhos, uma irmã e uma sobrinha.

Em sua decisão, o magistrado ressaltou a situação humilde em que vive a família de Amarildo, em uma casa de um cômodo na Favela da Rocinha.

Amarildo foi levado pela Polícia Militar para a Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da comunidade e nunca mais foi visto. O desembargador ainda apontou que os “aparelhos de vigília e localização, coincidentemente, naquele dia e hora, deixam de funcionar’”.

De acordo com a Agência Brasil, o advogado João Tancredo, que defende a família de Amarildo, disse que da medida cabe recurso, mas que “o Estado deve ter a decência de não recorrer do caso”.

Dados do Instituto de Segurança Pública (ISP) mostram que houve aumento no número de desaparecimentos nas 18 primeiras comunidades que receberam Unidades de Polícia Pacificadora ( UPPs), no período entre 2007 e 2012. Os desaparecimentos notificados à Polícia Civil aumentaram de 87 para 133, o que representa 56% dos casos. (pulsar)

 

Faça um comentário

56 − 48 =