Indígenas e quilombolas são barrados em Audiência Pública no Congresso Nacional


Polícia Levislativa impede a entrada de índios e quilombolas em Audiência Pública.

Polícia Levislativa impede a entrada de índios e quilombolas em Audiência Pública.

Lideranças indígenas e quilombolas tiveram a entrada barrada no Congresso Nacional, em Brasília. O impedimento ocorreu na terça-feira (1°) quando um grupo de 70 representantes de povos originários de todo o Brasil tentou participar de uma audiência na Comissão de Direitos Humanos do Senado. A sessão teve como pauta os projetos contrários aos direitos dessas populações.

De acordo com o Instituto Socioambiental, a entrada das lideranças que foram convidadas para a audiência, foi liberada após uma hora de negociação entre a presidente da comissão, a senadora Ana Rita (PT-ES) e a Presidência do Senado. Apesar do acerto estabelecido, apenas 20 pessoas puderam acompanhar a sessão.

Do lado de fora do Congresso manifestantes se uniram na defesa da Constituição, dos direitos de povos indígenas e quilombolas. O protesto contou com cerca de mil e trezentas pessoas, entre indígenas, quilombolas, ativistas, estudantes, professores, pequenos agricultores, trabalhadores rurais sem terra e moradores de Brasília.

A série de protestos convocada pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) para defender a Constituição, os direitos de povos indígenas e tradicionais e o meio ambiente está sendo realizado em todo o país. Hoje um ato público convocado pela Comissão Guarani Yvyrupa (CGI) ocorre em São Paulo a partir das cinco da tarde, no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (MASP), na Avenida Paulista. (pulsar/instituto socioambiental)

Faça um comentário

− 1 = 3