Em São Paulo, 37 metroviários demitidos serão recontratados


(foto: reprodução)

(foto: reprodução)

Na última quarta-feira (15), os trabalhadores do Metrô de São Paulo venceram uma batalha que já dura 10 meses. A Justiça do Trabalho determinou que a companhia readmita 37 funcionários que foram demitidos após a greve do ano passado. Para o juiz, houve um “vício formal” da companhia uma vez que não alegou o que os funcionários teriam feito de errado para serem afastados.

Por determinação do governador Geraldo Alckmin, 42 funcionários, ao todo, foram demitidos simplesmente por participarem da greve que pedia aumento salarial em junho de 2014. Desse total, dois já haviam sido reintegrados em razão de possuírem estabilidade sindical e outros dois porque sua demissão teria decorrido de engano da empresa. Agora, apenas um funcionário demitido tem sua situação incerta. Seu processo será julgado no próximo mês de junho.

A decisão do juiz comprova a denúncia dos metroviários de que as demissões foram motivadas por uma decisão política e arbitrária de Alckmin, já que o direito de fazer greve está garantido na Constituição.

No dia 5 de junho de 2014, os metroviários, após meses de tentativas de negociação, decidiram entrar em greve. Eles reivindicavam reajuste salarial de 12,2 por cento. A paralisação, no entanto, durou apenas cinco dias. (pulsar/revista fórum)

Faça um comentário

− 1 = 7