Dossiê traz panorama sobre as violações de direitos com os megaeventos no Rio


(foto: Pulsar Brasil)

(foto: Pulsar Brasil)

Na última terça-feira (8), o Comitê Popular Rio Copa e Olimpíadas lançou a quarta versão do Dossiê Megaeventos e Violações dos Direitos Humanos no Rio de Janeiro. De acordo com o Comitê, a população da cidade já se deu conta de que o projeto Rio Cidade Olímpica, que agrega as obras para a Copa 2014, para os jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016, e grandes projetos como o Porto Maravilha, não trará os benefícios e legados prometidos.

De acordo com Mariana Werneck, pesquisadora do Observatório das Metrópoles e integrante do Comitê, o relatório segue a mesma estrutura desde 2012 e aborda questões relacionadas às violações do direito à moradia e transporte, por exemplo. O documento também traz desta vez dois temas novos: violência de gênero e contra crianças e adolescentes.

Mariana destaca quatro grandes temas presentes no Dossiê. O primeiro se refere às remoções, que continuam a todo vapor e de forma violenta; em seguida vem o orçamento, realizado sem qualquer transparência; os esportes também aparecem com o fechamento de equipamentos e privatização de espaços, que podem deixar inclusive um legado negativo; e por último a pesquisadora cita a militarização da cidade, que vem acompanhada da criminalização dos movimentos sociais.

Além de um amplo panorama das violações ocorridas com os megaeventos, o relatório ainda apresenta 16 propostas para um modelo de cidade que garanta direitos. Entre as propostas estão o fim das remoções, fim da perseguição aos camelôs, Maracanã público e popular, desmilitarização da cidade e fim do recolhimento forçado de crianças e adolescentes em situação de rua. (pulsar)

Audios:

Faça um comentário

− 3 = 4