Anistia Internacional lança campanha contra remoções forçadas no Rio de Janeiro


Instalação que denuncia as remoções no Rio chama atenção em praça pública. (foto: Anistia Internacional)

Instalação que denuncia as remoções chama atenção em praça pública. (foto: Anistia Internacional)

A Anistia Internacional Brasil lançou no Rio de Janeiro, nesta quinta-feira (19), a campanha “Basta de remoções forçadas!”. Para a organização, a capital fluminense é a mais afetada pelos megaeventos esportivos. Além da Copa do Mundo de 2014, a cidade receberá as Olimpíadas de 2016.

De acordo com Renata Neder, assessora de Direitos Humanos da entidade, “a prefeitura carioca admitiu já ter removido, desde 2009, 19 mil 220 famílias, o que resulta em quase 100 mil pessoas ”. Segundo ela, esse número apenas inclui os que já foram realocados ou recebem aluguel social, podendo estar subnotificado.

Diante da situação, a principal demanda é pela  interrupção imediata de todas as remoções até que as intervenções urbanas que ocorrem no Rio sejam debatidas com os impactados.  Renata explica que a violação dos direitos humanos começa no momento em que faltam informações públicas sobre as mudanças na cidade.

Para representar a opressão vivida pelos que perdem suas casas, colchões foram levados à Cinelândia, importante praça no Centro do Rio. Neles, foram impressas imagens de tratores, casas demolidas ou caminhões recolhendo entulhos. A campanha denuncia, principalmente, as violações  no Morro da Providência, na Vila Autódromo e de três comunidades ao longo das obras do projeto viário Transoeste.

A partir desta sexta-feira (20), uma petição contra as remoções forçadas poderá ser acessada pelo site da organização. A Anistia Internacional começou a recolher assinaturas nesta quinta (19) e já conseguiu mais de 1 mil apoios à causa. Outras atividades da campanha devem ocorrer no Rio nos próximos dois meses. Depois, as ações chegarão a São Paulo e a Fortaleza.(pulsar)

Audios:

Faça um comentário

4 + 4 =