Anistia Internacional denuncia extermínio de 13 mil pessoas em prisões da Síria


Mulher caminha em meio aos escombros da cidade de Kobane, na Síria. (foto: YASIN AKGUL/AFP/Getty Images)

Mulher caminha em meio aos escombros da cidade de Kobane, na Síria. (foto: YASIN AKGUL/AFP/Getty Images)

A Anistia Internacional divulgou na última terça-feira (7) um relatório que acusa  o governo da Síria de ter enforcado 13 mil pessoas entre 2011 e 2015, em uma prisão perto de Damasco.

Intitulado Matadouro Humano, Enforcamentos e Extermínio em Massa na Prisão de Saydnaya, o relatório se baseia em entrevistas com 84 testemunhas dos violentos incidentes no local – entre guardas, detentos e juízes.

Segundo o documento, pelo menos uma vez por semana, entre 2011 e 2015, grupos de até 50 pessoas eram tiradas de suas celas para processos arbitrários, em plena noite e em segredo absoluto. Depois de espancados, eram enforcados. A maioria das vítimas era de opositores ao regime do presidente Bashar Al Assad, ressalta a Anistia Internacional. (pulsar)

*Informação da Radioagência Nacional

Faça um comentário

− 2 = 7